10/19/2016

Plano Estadual do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas do Rio de Janeiro (PELLLB/RJ)

O Plano Estadual do Livro, Leitura, Literatura e Bibliotecas do Rio de Janeiro (PELLLB/RJ) é uma iniciativa da Secretaria de Estado de Cultura do Rio de Janeiro, por intermédio da Superintendência da Leitura e Conhecimento e do Sistema Estadual de Bibliotecas, que tem como objetivo implementar uma política pública de democratização do acesso ao livro, à leitura e à escrita para a formação de leitores. Para que isso seja possível, será realizada uma eleição on-line do Grupo de Trabalho (GT). O Grupo será responsável por nortear o Plano e deve ser composto por representantes da sociedade civil.  Faça o cadastro para a eleição do PELLLB até o dia 22 de dezembro de 2016. Todos os envolvidos  nas cadeias criativa, produtiva e mediadora do livro, devem participar ativamente da construção de políticas públicas para área do livro, da leitura e bibliotecas.


Mais informações em:

http://planodolivrorj.blogspot.com.br/p/inscricoes-e-eleicoes.html


Uma relação de afeto e descobertas com a literatura

Quando criança ganhava gibis da Turma da Mônica e do Cascão. Era meu pai que me dava os gibis. Ele era jornaleiro e alegrava meus dias com esses gibis. Guardo boas e divertidas lembranças dessas leituras. Os personagens da Turma da Monica povoaram e encantaram a minha infância.  Se quando criança a Monica, o Cebolinha e o Cascão me prendiam a atenção, atualmente o livro “Olívia tem dois pais”, que já li mais de dez vezes, me encantou por ter uma mensagem de respeito às crianças e suas famílias, independente se uma família é unida por dois pais ou duas mães, por laços de sangue ou pelos laços do amor e do coração.  As singularidades que há em cada família devem ser respeitadas. Histórias como da Olívia têm que ser lidas para crianças e adultos, para propagarmos a mensagem de amor e respeito às diferentes famílias, que estão espalhadas pelo mundo.



Esse é o relato de Luzia de Seta, coordenadora da Biblioteca Comunitária Wagner Vinicio (ISER).



Chuva, biblioteca e livros

Tem pessoas que não gostam nem de respingo de chuva, muito menos de chuva forte com ventania. Tem gente nos dias de chuva, que fica em casa, se esconde nas cobertas e desmarca até compromissos de urgência. Algumas pessoas não podem ficar em casa, nem mesmo, nos dias de chuva forte. Elas têm que ir para a luta da vida, estas saem para o trabalho, alguns para a escola e outros para tantos outros compromissos. A Biblioteca Comunitária Elias José descobriu que seus leitores nem com o frio e ventos fortes deixam de ir para o aconchego da leitura. Em um dia de chuva forte no Complexo da Maré, a biblioteca ficou aquecida com a presença de crianças e jovens. “Ficamos surpresos naquele dia, o tempo estava ruim, mas o amor pelos livros não os impediu de ir para a biblioteca e degustar e vivenciar a literatura” afirmou Marilene Nunes, coordenadora da Elias José.




Um dia aquecido pelo livro
 Alice no país das maravilhas


9/27/2016

Mediação de leitura para promover os direitos humanos

Com o intuito de sensibilizar  crianças sobre direitos humanos e cuidados do corpo, para uma vida saudável, Carlos Honorato, da Biblioteca Comunitária Wagner Vinicio, fez uma mediação de leitura no Ciep Governador Roberto Silveira, em Rio das Pedras. Usando o livro  "Nascemos livres" - Declaração Universal dos Direitos humanos- adaptação feita por Bartolomeu Campos de Queirós , Carlos provocou reflexões e questionamentos nas crianças, que anotaram os direitos que poderiam ser praticados em seu cotidiano e da comunidade. Esse dia no Ciep foi finalizado com uma poesia de Ricardo de Azevedo do livro “Não existe dor gostosa”. Para Honorato a leitura é uma ponte para a promoção de ideias e direitos. "É tempo de sensibilizar com a leitura, sobre direitos que contribuam para uma sociedade que respeite as diferenças e reconheça o direito de todos viverem a sua singularidade" afirmou Honorato.






Uma rua do Complexo da Maré acolheu livros e crianças

 Os pés se agitaram para ocupar outros espaços, as mãos se encheram de livros, sonhos e boas histórias. Em uma tarde de tempo agradável, leitores da Biblioteca Comunitária Elias José, da Maré, tiveram a ideia de realizar uma roda de leitura em uma rua da comunidade. As crianças e a Teresina Lanzelloti, mediadora de leitura da biblioteca, depois de muitos  passos, encontraram um espaço próximo a casa de um dos leitores da  Elias José. Eles forraram um tapete colorido e espalharam os livros,  em seguida  convidaram outras crianças que passavam na rua, para desbravar  histórias e encher os olhos de aventuras e emoções. "Ocupar a rua com a roda de leitura foi encantador para as crianças  e os que não conheciam a biblioteca. Com uma atividade simples, leve e acolhedora conquistamos novos frequentadores, para encantar a cada dia com uma nova história" afirmou Marilene Nunes, coordenadora da Elias José.










9/26/2016

Um mural que transborda histórias

Uma atividade realizada na Biblioteca Comunitária Atelier das Palavras, da Associação Meninas e Mulheres do Morro, na Mangueira,  é a produção de mural contando por meio desenhos uma história. Todos os meses as crianças colaboram na confecção do mural. Nesse  mês de setembro, a história retratada  foi a de duas meninas, que  gostam de escrever e desenhar nas paredes de suas casas. O mural provoca nelas o olhar para o reparo e a descoberta das delicadezas e curiosidades de cada pintura.